Argus-a Vol. X Edición N° 38 / Diciembre 2020 / ISSN 1853-9904 / Index: MLA y Latindex / Bs. As.- Argentina
(Sobre)vidas e memórias: contar, escrever, (re)viver
Julia Guzman e Edgar Cézar Nolasco / Universidade Federal De Mato Grosso Do Sul-UFMS / Brasil
Vol. X Edición Nº 38

Este trabalho tem como objetivo propor uma leitura da obra ‘Si me permiten hablar...’ testimonio de Domitila, una mujer de las minas de Bolivia (1999), transcrito e organizado pela brasileira Moema Viezzer por meio do conceito de memória. O conceito de memória aqui evocado é pensado a partir de um lócus geoistórico fronteiriço específico, o estado de Mato Grosso do Sul, aqui denominado de memória subalterna (Nolasco). A memória subalterna, portanto, busca exumar para que venha à tona os arquivos e memórias que durante anos foram excluído e silenciado pela memória oficial, mas além de lembrar, esquece-se traumas que não podem mais ser narráveis. O aparato teórico do trabalho se encontra nos estudos de críticos como Jacques Derrida, Elisabeth Roudinesco, Adriana Amaral, Maria José Coracini  e Edgar Cézar Nolasco.

Abstract

This essay aims to purpose a reading of the book ‘Si me permiten hablar...’ testimonio de Domitila, una mujer de las minas de Bolivia (1999), transcribed and organized by the Brazilian, through the concept of memory. The memory concept here evoked is thought from a specific frontier lócus geoistórico, the state of Mato Grosso do Sul, here named as subaltern memory (Nolasco,). The subaltern memory aims to exhumate something to come up archives and memories which was deleted and excluded for years by the official memory, but beyond remember, unspeakable traumas are forgotten. The theoretical base of this essay is provided by studies of criticists as Jacques Derrida Elisabeth Roudinesco, Adriana Amaral, Maria José Coracini and Edgar Cézar Nolasco .

 

 

  • Compartir: